Flamengo Hexacampeão Brasileiro!!!

6 de dezembro de 2009

Pronto, agora sim podemos soltar novamente o grito de CAMPEÃO!
Quanto tempo esperei por isso! Estou quase sem voz!


Clique para ampliar

Antes eu já havia tido a oportunidade de gritar 5 vezes CAMPEÃO BRASILEIRO, 1 vez CAMPEÃO DA LIBERTADORES e 1 vez CAMPEÃO MUNDIAL! Esses apenas os mais importantes. Só que esse jejum já durava muito tempo. Tanto que em alguns momentos eu já achava que não teria novamente essa chance nessa encarnação.

Só que de uns tempos pra cá essa possibilidade vinha amadurecendo, ano após ano. Uma copa do Brasil em 2006, que marcou o início de um grande trabalho no Mengo. Um sucesso que se confirma no Tri-Carioca de 2007 a 2009 e no abandono do “costume” dos anos anteriores de sempre brigar contra o rebaixamento. Passamos a freqüentar a parte de cima da tabela. Em 2007 um grande terceiro lugar no Brasileirão e a habilitação para a segunda participação consecutiva na libertadores. Em 2008 um grande início, quando passeou na primeira colocação até o final do primeiro turno, passado a tropeçar até finalizar em quinto. E agora, invertendo 2008, depois de um começo tímido, inicia no segundo turno uma arrancada sensacional, pulando da décima primeira colocação para o título.

Pra mim, tudo isso se deve a uma mudança de postura da diretoria, que procurou manter a base do time. Por 3 ou 4 anos tivemos uma base muito eficiente e muito estável, com Léo Moura, Juan, Ibson, Obina e Renato Augusto comandando o espetáculo Rubro-Negro. Em 2009, quando tudo parecia perdido com a saída de Ibson, Fábio Luciano, Renato Augusto e a falta de gols de Obina, chegaram Adriano, Pet e Maldonado, que deram nova confiança à equipe.

Mas de tudo o que aconteceu, na minha humilde opinião, o mais importante foi a efetivação do Andrade, grande Andrade, na direção técnica da equipe. Há quanto tempo eu queria ver um técnico RUBRO-NEGRO de fato comandando o time! Com tempo pra trabalhar e sem cartola atrapalhando. Um cara que conheceu, viveu e honrou o Flamengo, aquele Flamengo, o glorioso. Um cara nascido e criado no Flamengo, que não se vende, que chora nas vitórias e nas derrotas, não pelo seu cargo, mas pelo Manto Sagrado que veste. Andrade é O CARA deste título. E se já é um Ídolo eterno do Mengão, um dos Monstros Sagrados que vestiram o Manto, agora entra também para a galeria dos grandes técnicos que comandaram o maior time do mundo.


Clique para ampliar
Arquivo para impressão »

E é óbvio que depois de tudo isso, este time sairá em breve em forma de botões, para esculacharem adversários pelas mesas de Brasília ;-)

AAAAAHHHH, EU TÔ MALUCOOOO!!!!

O time vem escalado com os titulares: Bruno (1), Léo Moura (2), Ronaldo Angelin (4), Álvaro (14) e Juan (6); Aírton (5), Ibson (7), Williams (8) e Petkovic (43); Zé Roberto (26) e Adriano (10).

Na reserva teremos: Dênis Marques (9), Maldonado (13), Kléberson (15), Fierro (16), Toró (21), Lenon (33), Éverton (19) e David (40).

Talvez ainda entrem os convidados: Fábio Luciano (3) e Obina (18), pelos serviços prestados nessa trajetória. Aliás, o Obina continuou servindo o flamengo, mesmo no Palmeiras ;-) Grande Obina! Espero que ele volte a fazer sucesso no Mengão.

E eu não poderia deixar o Andrade de fora. Vai entrar também em forma de palheta.

Este time deverá sair em acrílico preto, com bainha de 15 graus, para Dadinho e, quem sabe, não precise ser reeditado no final de 2010 depois de um possível título mundial ;-)

ATUALIZAÇÃO: (12/08/2010) Como está difícil sair times em acrílico, esse timaço foi feito antes em vidrilhas.

Saudações HEXA-RUBRO-NEGRAS!!!

1ª Copa dos Campeões Candangos

26 de outubro de 2009

E o Ninho do Periquito, local onde nasceu o Bola Quadrada, reviveu seus dias de glória depois de quase 2 anos sem sediar uma partida de futebol de botão! Foi realizada no dia 25 de outubro de 2009, domingo, a 1ª Copa dos Campeões Candangos com Vidrilha!

Participaram do torneio as 9 equipes campeãs candangas de futebol profissional, mais o convidado CEUB, para completar 10 equipes. As 10 vagas para técnico foram preenchidas por convidados, tomando como critério para o convite a data mais antiga de estréia nos torneios do Ninho do Periquito.

A tabela foi montada com 2 grupos de 5, com as equipes distribuídas antes das contratações dos técnicos. Momentos antes do início do torneio, equipe por equipe foi anunciada. Se um único técnico tivesse interesse em dirigir a equipe, a contratação era feita. Caso mais de um técnico tivesse interesse, era iniciado um complexo processo de avaliação e o técnico era escolhido através de um sorteio.


Em pé: Marcus (Gama), Daniel (Sobradinho), Sylvio (CFZ-DF), Hamilton (Brasília), André (Brasiliense), Júnior (Guará)
Agachados: Pedro (CEUB), Iran (Tiradentes), Rafael (Rabello), Bruno (Taguatinga)

Um dos itens chave do regulamento do torneio era que TODOS os técnicos deveriam tomar pelo menos uma latinha de cerveja COMPLETA antes do início do torneio. No entanto, este importantíssimo ítem do regulamento não foi respeitado por todos. Como o diretor técnico já estava meio mais pra lá do que pra cá, acabou não fazendo cumprir o importantíssimo regulamento, o que causou alguns desequilíbrios óbvios nos confrontos. Era um tal de “eu sou menor de idade”, “eu tô tomando remédio”, “eu não bebo”, “eu não queeeeeeero”… tsc, tsc, tsc…

Bem, jogamos com dadinho e usamos uma regra baseada nas regras oficiais, mas com bastante relaxamento, pra deixar o jogo fluir mais.


O Ninho do Periquito volta a sediar um torneio de botão

Começados os confrontos, algumas superioridades já começaram a se desenhar, assim como alguns micos históricos. No grupo A o CFZ-DF começou trucidando seus primeiros dois adversários, metendo um 5×1 no Sobradinho e um 5×0 no CEUB. Depois relaxou e empatou em 1×1 com o Brasília e perdeu de 3×2 do Brasiliense. Esse mesmo Brasiliense começou sem grandes alardes, com duas vitórias sobre o Brasília (2×1) e sobre o Sobradinho (4×2), depois tropeçou contra o CEUB (1×2) e finalmente fechou a primeira fase com a vitória sobre o CFZ. No final, Brasiliense em primeiro e CFZ-DF em segundo, classificaram-se com louvor para as finais (principais). Os outros continuavam na luta por posições menos gloriosas, mas nem de longe menos importantes ;-)

Pelo grupo B, o Taguatinga começa arrasador, com duas sonoras vitórias sobre o Gama (6×2) e sobre o Guará (4×1), mas depois relaxou e empatou em 1×1 com o Rabello e em 3×3 com o Tiradentes. Já o Tiradentes, venceu os dois primeiros por 2×1 em cima do Guará e 4×1 em cima do Rabello, Empatou com o Taguatinga e cravou os 3 últimos pregos dos muitos já cravados no caixão do Gama. Ao final, Tiradentes em primeiro e Taguatinga em segundo classificados para as finais mais gloriosas.


A turma dos derrotados…

Enquanto isso, na Sala da Injustiça, os derrotados iam tentando se conformar, torcendo contra os times dos outros na transmissão do Brasileirão pela TV…

Muitos lances curiosos e divertidos aconteceram durante o torneio, como por exemplo a grande demonstração de perícia do técnico do Brasiliense, André, nesse movimento de extrema técnica, chamado de “dedinho reverso”, que pode ser visto na foto acima. Crianças, não tentem fazer em casa!

Num lance do jogo do Tiradentes contra o CFZ-DF, que terminaria em 3×2 para o CFZ, depois de um chutasso do Tiradentes, a bola foi rasteira em direção ao gol, bateu na trave e seguiu caprichosamente girando por sobre a linha de gol, mas se negando a entrar, vagarosamente, para desespero dos dois técnicos, cada um soprando de um lado. Finalmente, já do outro lado, quase tocando na outra trave, o dadinho perde força de giro e para zombeteiro a 2mm da linha de gol… para dentro. Explosão de euforia do Tiradentes e da torcida atônita :-)


CEUB e Rabello se enfrentam pelas semi-finais de 5º a 8º. Terminou 1×0 para o Rabello.

Nas semi-finais, Brasília e Rabello se classificaram em cima de Guará e CEUB, respectivamente, para a disputa do 5º lugar. Taguatinga e CFZ-DF se classificaram sobre o Brasiliense e o Tiradentes, respectivamente, para a disputa do sonhado e histórico título. Enquanto isso, os técnicos de Gama e Sobradinho, os últimos em seus grupos, assistiam invejosos aos jogos, pensando que… bem, acho que nenhum dos dois encontrou alguma solução para suas performances…

Nas finais, em um jogo emocionante, cheio de alternativas, o Gama conquistou um grande nono lugar, ao empatar com o Sobradinho em 2×2 no tempo regulamentar e vencer a prorrogação por 1×0, mesmo com TODA a torcida contra. O Guará conquistou a sétima colocação vencendo de forma convincente o CEUB por 4×1. O Brasília e o Rabello fizeram um jogo sensacional, cheio de grandes lances, que terminou empatado em 4×4 no tempo regulamentar e vencido pelo Rabello na prorrogação, por 1×0, resultado que lhe deu a quinta colocação. O Brasiliense destroçou uma das sensações do primeiro turno, o Tiradentes, numa vitória acaxapante por 5×1. Um arrombado, o técnico!


CFZ-DF e Taguatinga se enfrentam na grande final

Na grande final, CFZ-DF e Taguatinga fizeram um jogo tenso como qualquer grande final, com os técnicos se estudando, jogando com cautela. O CFZ abriu vantagem de 2×0 e então administrou o resultado para conquistar o primeiro título da Copa dos Campeões Cangandos e levar para casa o grande prêmio, um becão do Brasiliense Futebol Clube.


O técnico Bruno (à esquerda), do Taguatinga, 2º colocado, entrega o prêmio ao técnico Sylvio, do campeão CFZ-DF, o primeiro campeão da Copa dos Campeões Candangos

Depois de terminado o torneio, todos estavam felizes, sendo o resultado o menos importante. Foi uma tarde sensacional, divertidíssima, de muito futebol de botão, muita conversa fiada, muito besteirol. O sucesso das vidrilhas e do formato do torneio (inspirado nos da BFA) foi unânime. Novos encontros deverão acontecer, com certeza!

Tabela completa do torneio »

Aí abaixo muitas imagens dos jogos…

clique para ampliar clique para ampliar clique para ampliar

Mais imagens...

Campeões candangos em vidrilha

27 de julho de 2009


CFZ-DF, Guará, Brasília, Taguatinga, Sobradinho e Tiradentes – Clique para ampliar

Finalmente estão prontos os outros 5 campeões brasilienses da era profissional do glorioso futebol de Brasília :-) Juntam-se aos gloriosos Brasiliense, Gama e Brasília, os maiores vencedores do DF e que foram montados nas vidrilhas da primeira remessa recebida. Agora tenho todos os 8 campeões profissionais (***) candangos.

Os títulos:
Brasília – 1976, 1977, 1978, 1980, 1982, 1983, 1984, 1987
Gama – 1979, 1990, 1994, 1995, 1997, 1998, 1999, 2000, 2001, 2003
Taguatinga – 1981, 1989, 1991, 1992, 1993
Sobradinho – 1985, 1986
Tiradentes – 1988
Guará – 1996
CFZ-DF – 2002
Brasiliense – 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009

(***) O Rabello foi tricampeão de 1964 a 1966, num período em que se tentou implantar o futebol profissional no DF. Resolvi deixá-lo de fora porque de fato o futebol profissional só começou por aqui uma década mais tarde, além da falta de imagens inclusive do escudo do time. Quem sabe, numa próxima remessa de lentes, sai o Rabello e os outros campeões amadores?…

Em breve será realizado no CT da Toca dos Leões, a casa do Manto Sagrado, a Primeira Copa dos Campeões Candangos com Vidrilhas. Torneio que reunirá 8 técnicos convidados, será disputado provavelmente em 2 grupos de 4, usando 2 mesas médias (1,5 metro), usando dadinho como bola, regras “especiais” e os clássicos goleiros de caixas de fósforos ;-)

Em tempo, eu quero, eu preciso “contratar” o Brasília de 1977, confeccionado pelo Vitor. Impagável! Cada figuraça!


CEUB – Clique para ampliar

Aos campeões profissionais se junta também o “tradicional” CEUB, campeão candango em 1973, onde jogou Fio Maravilha na década de 70. O time ficou lindo com o escudo criado pelo Marcos VP.

A primeira vez que fui a um estádio de futebol foi aos 9 anos de idade, em 1975, para assistir a um CEUB x Flamengo no Pelezão. O time da minha terra contra o do coração ;-) De um lado Fio Maravilha. Do outro Zico, Geraldo, Júnior, Doval, eita… Placar final 0×1 Mengo. Me lembro até hoje da sensação que senti ao ver as cores do Manto Sagrado do Mengão brilhando à luz dos refletores!

Pensando bem, acho que vou ter que fazer os dois times, com as escalações do jogo, um jogo histórico para mim ;-)

Montando times de vidrilha

30 de junho de 2009


Brasiliense, Gama, Legião e Flamengo RJ – Clique para ampliar

Finalmente estou montando meus primeiros times de lente. Nunca tinha jogado com esse tipo de botão antes, mas depois de ver times lindíssimos e a incrível coleção do Léo, da BFA, me animei a experimentar, nem que seja apenas para coleção. Primeiro comprei 3 times prontos com o Vitor e agora me aventurei a produzir meus primeiros times.

Nessa primeira leva, fiz um Gama, com o mesmo escudo do Periquito que usava para dadinho; um Brasiliense, com um escudo que tinha feito para um amigo, mas que acabou não sendo produzido em acrílico; um Legião, com uma escudo que iria utilizar em um time meu em acrílico; e um Manto Sagrado, com o mesmo escudo do meu atual time para dadinho. Ainda tenho lentes para mais um, que provavelmente será o CEUB feito pelo Marcos VP

Segue um rápido tutorial para a montagem dos times:

1. Compre lentes novas para botões. As minhas comprei com o Sérgio, no Mercado Livre. Dizem que as do Parruda (11 – 3915-4981) também são muito boas.

2. Crie os escudos em um editor gráfico. Se não tiver este dom, ou não tiver tempo, pode usar um dos escudos do Marcos VP, por exemplo, ou de outros tantos artistas talentosos que estão disponibilizando seu trabalho de graça na internet. No próprio site do Marcos, tem uma lista bem completa de outros sites de escudos. Outros artistas, como o Vitor, estão vendendo os escudos já impressos e recortados, prontos para a aplicação nos botões.

3. Configure o tamanho da página no editor, para um dos tamanhos das fotos do seu cinefoto preferido e exporte para um JPEG em 300dpi. Leve ao cinefoto e pessa para imprimirem a “foto” em papel brilhante e com o parâmetro “no resize”, importantíssimo para não mudarem o tamanho ou distorcerem os escudos.

4. Cole o lado impresso dos escudos sobre a fita dupla-face acrílica da Adelbrás. – Use a de 48mm de largura, que é mais larga que o escudo, não necessitando de emendas. O código dela na Adelbrás é 0639000022. – Na hora de colar os escudos, sugiro cortar cada um separadamente em quadrados e depois colar um por um, com cuidado para não formar bolhas. Depois recorte os escudos por cima da fica, que é bem transparente, mesmo antes de tirar o papel protetor.

3. (método aposentado, mas ainda usável) Imprima invertido (espelhado) em papel adesivo transparente, para que possa ser colado atrás da lente. Estou usando hoje o KelPex, que acho que adere melhor no plástico, mas você pode experimentar qualquer transparência adesiva para impressoras a jato de tinta.

4. (método aposentado, mas ainda usável) Cole papel adesivo branco por cima do transparente, para servir de fundo, e depois recorte os escudos.

5. Cole o conjunto adesivo por trás da lente. Sugestão, descole apenas uma ponta do papel protetor do adesivo e dobre; centralize o escudo no botão; prenda (cole) a parte que está sem o papel de proteção; depois retire o resto de papel de proteção e cole o resto do escudo.

6. Depois de colar o escudo na vidrilha, a colagem não fica perfeita, sendo vistas “estrias” por todo o escudo. Com a unha mesmo, esfregue o escudo, do centro para fora, cobrindo toda a extensão, até que todas as marcas tenham sumido.

7. Pinte a parte de trás do botão com tinta acrílica fosca na cor que deseja que fique o resto do botão que não está coberto pelo adesivo. É importante a tinta ser fosca, para que um botão não grude no outro depois de seca.

8. Para a pintura, primeiro dilua a tinta acrílica em água. O ponto corredo da diluição é meio subjetivo e cada um vai achar o seu preferido depois de algumas tentativas. Eu misturo com o cabo de um pincel, até que a tinta goteje da ponta sem dificuldade, mas também não escorra muito fácil.

9. Agora despeje uma quantidade de tinta sobre a parte de baixo do botão e vá girando o botão até que a tinta cubra tota a área dos escudo e da borda. Dica: primeiro cubra todo o escudo e só depois passe para a borda. Se deixar o escudo para depois, como a tinta escorre com mais dificultade sobre o papel, você terá maio dificuldade para cobrir o escudo.

10. Eu estou usando uma seringa para despejar a tinta, o que facilitou um bocado o trabalho e a dosagem da tinta. Dica: 0,8ml ficaram ideais para a diluição que eu fiz, conforme explicado acima.

11. Depois de coberto todo o botão com a tinta, você vai ter a impressão de que ela ficou em excesso, mas depois que secar, o que vai demorar um pouco mais que o normal, ela retrai e o botão fica com uma cobertura impecável, parecendo pintado industrialmente.

12. Caso se formem bolhas na tinta, fure uma a um com uma agulha ou um palito de dente. Dica: com a ponta limpa do palito, as bolhas estouram mais facilmente.

Obs.: Não me dou muito bem com tinta, então estou pensando em experimentar também os escudos do tamanho da lente, sem a pintura. O Pedro Luiz, da comunidade Futebol de Botão tem alguns exemplos de botões assim. Gostei ;-)

Obs. 2: A turma da comunidade Futebol de Botão, sujere a impressão dos escudos a laser e a colagem com cola branca, levemente diluida. Os botões do Léo, por exemplo, são feitos assim, mas como também não me dou bem com cola (as primeiras experiências geraram mais sugeira do que resultados), resolvi usar a técnica do adesivo transparente, que já utilizo com sucesso nos goleiros.

Vidrilhas

30 de janeiro de 2009

Finalmente chegaram os times de vidrilha que encomendei com o Vitor Sanches, de São Paulo! Lindonas, com as Seleções Brasileiras campeãs mundiais em 1958, 1962 e 1970.


De cima pra baixo: Seleção de 1958, Seleção de 1962 e Seleção de 1970

Nunca tinha tido ou jogado com vidrilhas. Quando moleque joguei com os panelinhas da estrela, os cristal da Guliver e depois passei para os de galalite (puxadores) e agora os de acrílico. Mas sempre achei bacanas as vidrilhas e tinha curiosidade para ver como era o toque de bola. Até ensaiei algumas vezes encomendar alguns times e até comprar as vidrilhas limpas pra fazer meus próprios times, mas quando vi a matéria do SporTV que mostra a sensacional coleção do Léo, da B.F.A., também de São Paulo, foi que resolvi realmente comprar uns times.

Comprei para coleção e pra brincar de vez em quando. Hoje já fiz um jogo com a filhota, Helena. Um pouco com dadinho e outro pouco com bolinha de lã. Show de bola! Claro que não serviriam para jogar federado, pelo Bola, mas são diversão garantida em qualquer reunião com a família e os amigos ;-)

Agora estão na fila as Seleções de 1994 e 2002, no mesmo estilo, também com o Vitor e alguns times de Brasília ou do Rio, que pretendo encomendar com o Léo. Depois, quem sabe, me arrisco a fazer alguns eu mesmo. Como se eu tivesse tempo…


Marcadores

1930 1934 1938 1942 1943 1944 1953 1954 1955 1958 1961 1962 1963 1966 1970 1974 1976 1980 1981 1982 1983 1987 2008 2009 Ajax Alemanha Argentina Argélia Arsenal Atlético Madrid Atlético Mineiro Atlético Paranaense Austrália Bahia Bangú Barcelona Bayern Boca Jr. Bola Quadrada Botafogo Botões Bragantino Brasil Brasiliense Brasiliense 2009 Brasília Camarões Campeões Brasileiros Campeões Candangos Campeões mundiais Campineira Ceará Ceilândia CEUB CFZ-DF CFZ/DF Chile Coenge Colo-Colo Colombo Copa 2010 Coritiba Coréia do Norte Coréia do Sul Cosmos Costa do Marfim Criciúma Cruzeiro Cruzeiro do Sul CSKA Defelê Dinamarca Equipes inesquecíveis Escudos Eslovária Eslovênia Espanha Esperança Estados Unidos F-Arte Fenerbahce Fiasco FIFA Figueirense Fiorentina Flamengo Fluminense França Futebol Gama Gana Goleiros Grécia Grêmio Grêmio Brasiliense Grêmio futmesa Guará Hertha Berlin Holanda Honduras Hungria Ibis Inglaterra Interestadual Internacional Internazionale Ipatinga Itália Japão Jogões Juventus Legião Libertadores Malutron Manto Sagrado Mengão 81 Mesas Milan México Nigéria Nova Zelândia Novorizontino Obina Palmeiras Paraguai Paraná Payssandu Periquito Piloto Pioneira Ponte Preta Portugal PSV Rabello Real Madrid River Plate Roma Sampaio Correa Santos Schalke 04 Seleção Seleção Brasileira Senta a Púa Serviço Gráfico Sobradinho Sporting Suíça São Caetano Sérvia Taguatinga Tiradentes Torneio Dadinho Torneio do Terraço Traves UEFA Uruguai Usinagem Valência Vasco vidrilha Vidrilhas Vila Nova Volta Redonda Werder Bremen Zamorim F.B. África do Sul

Parceiros

eXTReMe Tracker